A queda da barreira sanit√°ria √° importa√ß√£o de carne su√≠na e bovina de Santa catarina (SC) n√£o dever√° ter impactos econ√īmicos¬† relevantes para os produtores¬† americanos,afirma rellat√≥rio do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA,na sigla em ingl√™s).Conforme as proje√ß√Ķes,os embarques de produtos su√≠nos aos Estados Unidos (EUA) devem equivaler a 3 % das importa√ß√Ķes americanas no segmento,sendo que n√£o s√£o esperadas importa√ß√Ķes de bovinos,j√° que Sc n√£o √© grande produtor de animais para corte,segundo avalia√ß√£o das autoridades americanas.

Em abril, o USDA disponibilizou para consulta p√ļblica uma regula√ß√£o que declara SC como regi√£o livre de febre aftosa e outras doen√ßas que afetam rebanhos¬† bovinos e su√≠nos.Os americanos dizem que a derrubada da barreia sanit√°ria √© uma das compensa√ß√Ķes para evitar que o Brasil imponha retalia√ß√Ķes no caso do algod√£o,disputa sobre subs√≠dios que foi arbitrada na Organiza√ß√£o Mundial do Com√©rcio(OMC).

O relat√≥rio do USDA cita estimativa da Associa√ß√£o Brasileira da Ind√ļstria Produtora e Exportadora de Carne Su√≠na(Abipecs),que calcula em 10 mil toneladas as exporta√ß√Ķes anuais brasileiras de carne su√≠na para o pa√≠s,caso a barreira sanit√°ria seja derrubada.

Emdora a s exporta√ß√Ķes projetadas n√£o sejam relevantes,a queda da barreira sanit√°ria √© considerada importante,pois a aprova√ß√£o pelo rigoroso USDA dever√° derrubar barreiras sanit√°rias em outros pa√≠ses e abrir novos mercados para a carne su√≠na brasileira.


Brasil e √Āfrica do Sul Negociam retomada das exporta√ß√Ķes de su√≠nos.

Nos pr√≥ximos 30 dias,uma miss√£o do governo sul-africano vir√° ao Brasil para conhecer o sistema nacional de certifica√ß√£o de carne su√≠na.A visita foi acertada pelo ministro da Agricultura,Pecu√°ria e Abastecimento,Wagner Rossi,com a ministra da Agricultura da √Āfrica do Sul,Tina Joemat-Petterson,em reuni√£o realizada no dia 16 de abril,em Bras√≠lia.
Com o convite,o governo brasileiro pretende demonstrar a seguran√ßa do sistema de ratreabilidadedo Pa√≠s e abrir o mercado sul-africano para a carne su√≠na.As exporta√ß√Ķes do produto foram interrompidas no final de 2005,com o embargo sanit√°rio imposto em fun√ß√£o do comunicado de foco de febre aftosa em bovinos brasileiros.
Antes do embargo,a √Āfrica do Sul era um dos principais destinos da carne su√≠na produzida no Brasil.As exporta√ß√Ķes em 2004 totalizaram US$ 17,69 milh√Ķes,atr√°s das vendas para Pa√≠ses Baixos,Cingapura,Hong Kong,Ucr√Ęnia,Argentina e R√ļssia.”A ministra acenou que deseja a reabilita√ß√£o das exporta√ß√Ķes de carne de su√≠nos in natura para a √Āfrica do Sul”,afirmou Rossi.


Churrasco na Medida

Conheça nossos parceiros

Entre em Contato

Política de Privacidade

Frigorífico Spitzner Desenvolvido por Xthor Soluções Tecnológicas